BR > SP
OUT | 15
> VOLTAR
RES:
RICEBEAN - contato@ricebean.com.br
PUBLICIDADE
EDIÇÕES ANTERIORES
> 2 | 1 | zero
É proibida a cópia total ou parcial do conteúdo deste site sem a autorização dos autores. Os autores são os únicos responsáveis por suas opiniões e formas de expressão.
© 2015 CHÁFRITO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
Redes Sociais
O CháFrito dispara um e-mail sempre com as mesmas perguntas para artistas, autores e profissionais das áreas de desenho, editorial, design gráfico e afins.
A resposta é publicada aqui.

ANO I > OUTUBRO 2015
RES:
RICEBEAN STUDIO

RICEBEAN
STUDIO
A Ricebean fica em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul e é capitaneada por Rafa Mota e Natália Azevedo, designers mega-ultra criativos e artistas talentosos. Juntos somam mais de 18 anos de experiência e um portfólio tipo exportação.
Estamos numa fase importante de mudanças e crescimento, e isso é só o começo. 
Em que pé está o mercado que a Ricebean atua?
RES: De forma geral, podemos falar que atuamos em três frentes: design, 3D e manipulação de imagens. E as possibilidades de combinação entre eles são vastas. Digo design, e não apenas design gráfico, pois atuamos muito mais do que apenas com gráfico, nos envolvemos com o espaço, com a interação, com todo universo ao redor, para então desenvolvermos um projeto mais complexo e rico, em parceria com profissionais que nos auxiliam e agregam ao trabalho, além de aprendermos com eles.
O mercado brasileiro poderia estar mais aquecido, mas trabalho não falta pra quem não se deixa abater, e a internet ajuda muito, pois hoje você consegue prestar serviço para qualquer lugar do mundo. Atualmente, 50% da nossa demanda é internacional, então não temos do que reclamar. Estamos numa fase importante de mudanças e crescimento, e isso é só o começo. 
Estamos começando a investir em uma quarta frente que envolve cursos e oficinas de formação profissional nos setores de design, ilustração, história em quadrinhos e literatura entre outros. O bom disso, é que nós estaremos sempre aprendendo coisas novas e contribuindo com o cenário local.

Qual o método da Ricebean para estimular a criatividade?
RES: Criatividade é exercício. É importante estar em movimento constante, seja com um sketch book na mão para rabiscar as ideias malucas que surgem do nada, fazer listas, cursos, workshops, olhar referências, aprender métodos diferentes com outros profissionais, rabiscar na parede, recortar papel, fazer colagem, mudar a mobília de lugar, vale tudo! Só não podemos nos deixar levar pelas tarefas burocráticas do cotidiano, cair na zona de conforto. Temos que nos comportar como crianças pra nos manter criativos, e quando digo nos comportar como crianças é no sentido de não ter medo de fazer coisas novas, arriscar, experimentar, perguntar sobre o que não sabemos e ir aprendendo.
Um exemplo muito legal e recente, é que acabamos de realizar entre os dias 16 e 19 de julho, junto com o Lobo, que é roteirista da graphic novel Copacabana e um dos maiores editores de quadrinhos do Brasil, quatro dias de oficinas sobre quadrinhos, falando sobre o lado psicológico para criação de personagens, como nos realfabetizar visualmente através da linguagem dos quadrinhos e todas as etapas para se produzir um quadrinho ou um livro de qualidade. Aprendemos coisas incríveis, e apesar de não sermos quadrinistas, isso nos deu um repertório fantástico para aplicarmos no nosso trabalho, aqui na Ricebean. Ensinamentos que só um cara com a experiência do Lobo poderia nos passar, e sabemos que o interesse em aprender coisas assim é indispensável para qualquer bom profissional. Dito isso, se temos uma dica para estimular criatividade é essa: Ter interesse em aprender e experimentar coisas novas.

Existe um atalho para aqueles que querem dar uma guinada na carreira de design gráfico?
RES: Atalho não existe. O que existe pra dar guinada em qualquer carreira, é trabalho, muito trabalho. Ter interesse no mundo que lhe cerca, além de estudar sempre e se atualizar. Procurar aprender sobre coisas diferentes de sua área de atuação, também é muito enriquecedor, pois aumenta o repertório que você carrega consigo e o nosso trabalho depende disso. O lance é trabalhar duro, saber ouvir, ser paciente e buscar entender o mundo a sua volta e tirar o que tiver de melhor dele.

Quais os artistas gráficos que inspiram a Ricebean?
RES:
Poxa... são tantos!
Natalia: Eu não poderia deixar de citar o Marcelo Rocha e a Lina Mizutani da M. Quatro Design por motivos muito pessoais. Trabalhei com eles por dois anos e meio e eles foram meus mestres, foram generosos nos ensinamentos, são profissionais com uma visão muito sensível sobre design e eu me sinto feliz de ter passado esse tempo com eles. Outros designers brazucas que me inspiram são Leo Eyer, Retina 78, Clarissa Biolchini, Ricardo Leite etc.
Lá da gringa, curto muito os trampos da Pentagram, David Carson, Sagmeister & Walsh e muitos outros, mas nessas horas eu digo que na pressão da resposta nós só lembramos dos clássicos e daqueles que vimos recentemente, porque tem tanta, mas tanta gente boa por aí, que pra responder eu teria que colar a lista de quem eu sigo pelas redes sociais.
Rafa: Tem muitos artistas excelentes no mercado. Além dos que a Natalia citou, curto muito os trabalhos dos brasileiros Diego Maricato, Hugo Ceneviva, Rafael Vallaperde, Henrique Cassab, Rodrigo Gelmi, Eduardo Baroni, Guzz Soares entre muitos outros. Tem muita gente boa lá fora também, como Mike Campau, Tomáš Müller, Tim Tadder e Tim Cooper. 

O que é indispensável para um bom design?
RES:
Bem, já existem os 10 princípios de um bom design segundo Dieter Rams, que não tem o que contestar, mas podemos falar também que a busca por compreender o que é o cliente/produto e o que ele precisa é muito importante. A relação que se constrói com o cliente é pra nós, como um namoro ou casamento, tem que haver comprometimento das duas partes. Um entendimento de um com o outro, uma relação de respeito e parceria saudável. 

O que ninguém fala sobre a profissão de modelador 3D?
RES:
É difícil dizer. Os profissionais do mercado que temos contato, normalmente em grupos online, falam sobre tudo. Trocam bastante idéias e experiências.

Como seria a aparência do Brasil Ricebiniano?
RES:
Agora que vem a loucura! Seria uma mistura de filmes do Tarantino com A Viagem de Chihiro, e Clint Eastwood de cicerone pra nós.


Grande abraço e obrigado pela oportunidade.
Se precisar de algo mais é só falar.
> CONTATO | DOWNLOAD | LOJA